18 de abril de 2022

Top 5: jornalista gastronômica, Nide Lins lista os botecos que você precisa conhecer em Maceió

Prepare-se para embarcar em uma verdadeira viagem gastronômica com a jornalista Nide Lins: ela, que é dona de um paladar atento, preparou um “top 5” para os amantes da culinária de boteco, que também não desperdiçam uma boa cervejinha.

Batemos um papo com ela e o resultado está aqui embaixo. Vamos lá?

1. Cachorro quente do seu Moacir (Caldilar)

Desde 1970, são 52 anos de cachorro quente. De acordo com Nide, o sabor é o mesmo, e a carne moída bem temperada. Por dia, são quatro panelões de carne preparada com tomate, cebola, pimentão, coentro, vinagre e cominho com pimenta do reino. Servido no pão francês fresquinho da Panificação Rio Branco (do mercado), a opção do adicional de queijo do reino é uma dica preciosa. “Valei-me Nossa Senhora dos Prazeres, é de comer rezando”, entrega a jornalista.

Caldilar: Rua Barão de Jaraguá, 311. Telefone: 3325.5395.

2. Boteco do Tonho

O Boteco do Tonho foi o primeiro grande sucesso do blog da Nide no ano de 2012. A costela suína temperada apenas no sal fino fez tanto sucesso, que não deu pra quem quis. O segredo? O modo de fazer: forno no tempo certo e sal no ponto. “A costelinha tem que ter gordura, senão não é carne suína”, conta. Para se ter noção do sucesso, antes da postagem do blog, o boteco vendia em média 10 costelas por dia. Atualmente, são mais de 50.

Rua Manoel Lourenço, 248, Ponta Gross/ Telefone: 3221-6209/988694330.

3. Boteco da Bel

“O mocotó da Bel não é bom não, se amostra”, exclama Nide – mas ela só atende às quartas ou por encomenda, com um dia de antecedência. Nas panelas, entra osso de patinho, charque, calabresa defumada, fato, tripa e pé de boi cheio de colágeno para promover “sustança” ao caldo. O fato e a tripa são lavados com limão e vinagre. O tempero é cominho na medida certa, alho, vinagre e a cenoura, para dar a cor à tradição. Lembrando, Bel é um boteco de raiz, não tem placa. E ainda tem um cadeado na grade, ou seja, segurança máxima. Se interessou? Anote o endereço!

Rua Firmino Vasconcelos, 589 – Ponta da Terra. De segunda a sexta-feira, das 11h às 16h; no sábado e no domingo ela fica atrás da Balança do Peixe da Pajuçara, no mesmo horário. Telefone: (82) 98896-3485.

4 -Biroska Brasil

Quem conhece a montanha de camarões crocantes do Biroska Brasil sabe que o prato é único em textura, sabor, volume e “elegância”. É mais de um quilo de comida no prato. O crustáceo, na companhia da cerveja gelada, é um espetáculo. Dica de acompanhamento da Nide: “Com pirão é um Deus nos acuda”.

Rua Santos Dumont, 34 – Ponta Grossa. Telefone: (82) 98727-7566.

5 – Boteco do Urugua

Os fãs de César Piriz, vulgo Campeón, não têm do que reclamar do bom rapaz. Afinal, o Boteco do Urugua é internacional, com comidinhas do mundo. O cardápio vai do sashimi ao acarajé, passando pelos churrasquinhos, bolinhos, camarão empanado, língua de boi, dentre outras delícias. Ficou salivando? Então anota o endereço:

Rua Melo Póvoas, 165, Jaraguá. Contato: (82) 99636-6995 / 99153-8337.

Para conhecer mais points recomendados pela jornalista, é só se debruçar em seu site ou comprar o livro “Guia da Gastronomia Popular Alagoana”, assinado por Nide, que fala da gastronomia de tradição, de boteco, de cozinha, de rua.

A publicação é indispensável para quem deseja saborear com maestria pratos que vão bem mais além do básico nos botecos de Alagoas. A obra possuí cem dicas de bares, botecos, restaurantes e comidas de rua com as tradições e histórias de diversas cidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *